O presente estudo pretende elucidar pontos controversos acerca das novas tecnologias e comportamentos que, certamente, trarão relevantes impactos às práticas jurídicas cotidianas, notadamente pelo advento da internet e a regulação sempre posterior às inovações, que são diversas e imediatas. A mudança comportamental – atinente à preponderância da funcionalidade de determinados bens materiais ante a sucumbência da aquisição da propriedade destes objetos – ensejarão alterações de costumes que antes não eram vistos. A ótica imobiliária, antes bastante burocratizada em virtude de se tratar de um bem de raiz de extrema importância para a sociedade e ao direito, agora tende a se tornar cada vez mais simples e acessível aos cidadãos, como consequência lógica do advento da internet e a democratização da informação mediante os mais diversos aparelhos telefônicos e afins, bastando um simples “toque na tela”. O compartilhamento de bens materiais é a grande temática do presente trabalho, que busca analisar possíveis consequências e as tendências futuras de alguns dos ramos inerentes ao Direito Imobiliário.

O autor é advogado, graduado no Curso de Direito pela Faculdade Cândido Mendes – UCAM, pós-graduando em Direito Processual Civil também pela Universidade Cândido Mendes, pós-graduado em Direito Imobiliário pela Associação Brasileira de Administradores de Imóveis – ABADI, em parceria com o Instituto A Vez do Mestre – AVM, membro do Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB e membro da Comissão de Prerrogativas da OAB/RJleia o artigo completo

Anexos